CLICK NA IMAGEM E ACESSE O NOSSO CANAL

CLICK NA IMAGEM E ACESSE O NOSSO CANAL
CLICK NA IMAGEM E ACESSE O NOSSO CANAL

LOJA FRANCKELETRO

LOJA FRANCKELETRO

AGÊNCIA ATIVOS

VIDRAÇARIA TICO VIDROS, em Petrolândia - PE

VIDRAÇARIA TICO VIDROS, em Petrolândia - PE

Aurinézio

Aurinézio

FARMÁCIA ESPERANÇA

FARMÁCIA ESPERANÇA

ELETROLÉO

ELETROLÉO

sábado, 8 de janeiro de 2022

EUA batem recorde de crianças internadas com Covid em meio a avanço da ômicron

Os dados apontam que a média de internações de americanos de até 17 anos cresceu 114% na semana

© iStock

BAURU, SP (FOLHAPRESS) - Ao menos 4.000 crianças com Covid-19 estavam hospitalizadas nos Estados Unidos nesta quarta-feira (05.01), de acordo com um levantamento do jornal americano The Washington Post.

A cifra representa a maior marca de internações dentro desse grupo, acima de picos anteriores registrados durante o verão nos EUA, entre junho e agosto de 2021. À época, a variante delta era predominante nas infecções; hoje, é a ômicron a principal responsável pelos novos casos de coronavírus no país -95,4%, segundo dados mais recentes do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Há menos de duas semanas, no Natal, os números do Washington Post mostravam menos de 2.000 crianças internadas com Covid, metade do número agora registrado.

"É fundamental que protejamos nossas crianças e adolescentes da infecção por Covid", disse Rochelle Walensky, diretora do CDC. O órgão, também nesta quarta, deu aval para a aplicação das doses de reforço com o imunizante da Pfizer a todos entre 12 e 15 anos de idade.

Nas regras atuais, crianças a partir dos cinco anos também são elegíveis a receber a primeira e a segunda dose do imunizante da Pfizer, mas não as da Moderna ou a da Janssen, usadas nos demais grupos entre os americanos.

"A Covid está sobrecarregando nossos hospitais e os hospitais infantis. [A vacina] é uma ferramenta que precisamos usar para ajudar nossos filhos durante a pandemia", disse a pediatra Katherine Poehling, membro do painel de especialistas do CDC que aprovou a dose de reforço.

Os dados da instituição apontam que a média de internações de americanos de até 17 anos cresceu 114% na semana encerrada em 2 de janeiro, quando comparada à semana anterior -de 313, subiu para 672.

A taxa de hospitalização, que havia atingido o último pico em meados de setembro, com 0,47 a cada 100 mil habitantes dessa faixa etária, chegou a 0,92 no último domingo (02.01). Desde o início da pandemia, cerca de 80,2 mil pessoas com até 17 anos foram internadas com Covid nos EUA.

Ainda segundo números disponibilizados pelo CDC, a faixa etária dos 5 aos 11 anos é a que mais iniciou e completou o esquema de vacinação nos últimos 14 dias (21,8% e 37,1%, respectivamente). No entanto, o grupo, que equivale a 8,7% da população dos EUA, tem apenas 2,9% de seus integrantes imunizados com ao menos a primeira dose, e 2,2%, com as duas.

A mesma faixa etária contabiliza 6% dos casos de Covid-19 registrados nos EUA. No total, 221 crianças (0,03%) desse grupo morreram em decorrência da doença.

A faixa dos 12 aos 17 anos corresponde a 7,1% do total de casos e 0,07% do total de mortes (489 óbitos). Nesse grupo (7,6% da população), os que receberam a primeira dose da vacina somam 6,6%, proporção que se repete entre os que estão com o esquema vacinal completo.

Um relatório da Academia Americana de Pediatria (AAP) divulgado na semana passada indica que os casos de Covid entre as crianças seguem a mesma tendência de alta vista nos EUA como um todo.

Na semana que terminou em 30 de dezembro, a AAP contabilizou mais de 325 mil novas infecções nesse grupo. O número representa um salto de 64% em relação aos 199 mil registrados na semana de 23 de dezembro e quase o dobro dos casos confirmados nas duas semanas anteriores.

  • Desde o início da pandemia, segundo a AAP, quase 7,9 milhões de crianças foram infectadas pelo coronavírus. Desse total, 2,8 milhões (ou 35,4%) de casos foram registrados de setembro de 2021 para cá.

Embora o agravamento da Covid entre crianças ainda seja raro, a preocupação é que elas possam atuar como transmissoras, muitas vezes assintomáticas, a grupos mais vulneráveis. O temor levou cidades como Chicago, Milwaukee, Atlanta e Detroit a suspender ou adiar a retomada das aulas presenciais.

Se a alta de internações entre as crianças assusta, os números totais de hospitalizações por Covid nos EUA são ainda mais alarmantes. O portal Our World in Data contabiliza 113.073 pacientes com coronavírus em hospitais -número que se aproxima cada vez mais do pico de 133 mil registrado em janeiro do ano passado. Em 5 de novembro, os internados eram 40.944, o que indica um salto de 176% nos últimos dois meses.

Os EUA também vêm batendo recordes consecutivos desde o Natal na média móvel de casos de Covid. O índice chegou a 574,7 mil nesta quarta -aumento de 686% em dois meses.

No mesmo período, a média de mortes (1.222,71) cresceu 1,5%. Embora esteja bem longe dos picos de janeiro de 2021, quando morriam mais de 3.000 americanos com Covid por dia, o índice atual de mortes é mais de cinco vezes o que se via em julho, quando a curva de óbitos chegou a seu menor nível em decorrência da vacinação e das medidas de controle.

Por Folhapress
Via Notícias ao Minuto, matéria de sexta-feira (07.01.2022)
Blog SNP, 08.01.2022



Nenhum comentário:

Postar um comentário