sexta-feira, 21 de maio de 2021

Presidente da CPI, Aziz quer criminalizar recomendação de remédio sem comprovação

Protocolou nesta 6ª feira
É resposta ao bolsonarismo

Sérgio Lima/Poder360 - 5.mai.2021

O presidente da CPI da Covid no Senado, Omar Aziz (PSD-AM), protocolou nesta 6ª feira (21.mai.2021) um PL (Projeto de Lei) que criminaliza a recomendação do uso de remédios cujos efeitos não tem comprovação científica.

Eis a íntegra do projeto.

“O projeto é necessário. Temos visto muita gente que não sabe nada de saúde está prescrevendo remédio na internet. Um monte de fake. Não podemos permitir isso no Brasil”, justificou Aziz ao Poder360.

O projeto é resposta à recomendação recorrente por parte do presidente Jair Bolsonaro e dos seus apoiadores de remédios ineficazes contra a covid-19. O governo, inclusive, criou um protocolo chamado “tratamento precoce“, que inclui cloroquina e ivermectina como remédios para combater o coronavírus.

Ocorre que diversas pesquisas foram feitas mundo afora desde o início da pandemia e não foram constatados efeitos inibidores do vírus nesses medicamentos. Ou seja, são placebo.

Nesta semana, a CPI escutou 2 ex-ministros: Ernesto Araújo e Eduardo Pazuello. Ambos foram questionados a respeito do uso desses medicamentos. E também a respeito do aplicativo TrateCov, do Ministério da Saúde, que recomendava uso de cloroquina.

Pazuello tentou se isentar de culpa, atribuindo a sua concepção a Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e Educação no Ministério da Saúde, conhecida como “capitã cloroquina”.

Pazuello, antes de prestar depoimentos, conquistou no STF a possibilidade de ficar calado durante os questionamentos. Mayra tentou o mesmo, mas o STF negou.

“O Bolsonaro deveria ter dito para o Pazuello que ele não poderia ter ido ao STF, já que ele e seus apoiadores pedem para fechar a Corte”, provocou Omar Aziz.


POR GUILHERME WALTENBERG
PODER 360, 21/05/2021


Nenhum comentário:

Postar um comentário