PONTO DO BEM

PONTO DO BEM
PETROLÂNDIA-PE

sábado, 12 de janeiro de 2019

11º dia de ataques no CE: Polícia prende suspeitos de explodirem concessionária em Fortaleza

Após prisões, policiais buscam criminosos que derrubaram torre de transmissão de energia. Ataques fazem parte de série de crimes ordenados por chefes de facções.

Por G1 CE
12/01/2019

Governador do Ceará quer dar recompensas por informações sobre envolvidos em ataques

Policiais prenderam na manhã deste sábado (12.01) três suspeitos de arremessar artefatos explosivos e danificar vários veículos em uma concessionária em Fortaleza. O ataque ocorreu em meio à onda de violência que dura onze dias no Ceará, com mais de 190 ações criminosas coordenadas por chefes de facções. Com a prisão dos três suspeitos, chegou a 330 o número de detidos por envolvimento na sequência de ataques.

De acordo com o secretário da Segurança do Ceará, André Costa, dois homens foram baleados durante troca de tiros com policiais. Após as prisões, a Polícia Militar, que recebe apoio da Força Nacional para tentar conter a violência no estado, reforçou as buscas pelos autores da destruição de uma torre de energia em Maracanaú, na Grande Fortaleza, durante a madrugada deste sábado.

Criminosos atacam concessionária de veículos na Avenida Washington Soares em Fortaleza. — Foto: Rafaela Duarte/Sistema Verdes Mares

Em nota, o Ministério de Minas e Energia informou que foi feito o desligamento automático da linha de transmissão que liga Fortaleza ao Porto de Pecém devido à queda torre. Ainda segundo o ministério, foi acionado o despacho momentâneo de geração térmica adicional, o que impediu a falta de energia para os consumidores.

"O MME informa ainda que, em conjunto com o ONS e em contato com a distribuidora de energia local e órgãos de segurança pública federal, estadual e municipal, permanecerá monitorando e adotará todas as medidas para o restabelecimento da normalidade do sistema elétrico", afirma a pasta, em nota.

A onda de violência no estado chegou ao 11º dia seguido com 194 ataques confirmados em 43 municípios. Desde o início da sequência de crimes, 35 membros de facções criminosas foram transferidos para presídios federais, de acordo com o Ministério da Justiça.


Membros de facções rivais se uniram contra o governo após o secretário da Administração Penitenciária do Ceará, Mauro Albuquerque, anunciar mais rigor na fiscalização dos presídios.

Mauro Albuqurque, ao assumir o cargo criado em 1º de janeiro deste ano, prometeu acabar com a entrada de celulares nas prisões e com a divisão de presos segundo a facção à qual pertencem. Os ataques são uma tentativa de fazer com que o estado recue.





O governador do Ceará, Camilo Santana, afirmou nesta sexta-feira (11.01) que "não há recuo".

Ações do estado contra a violência

Policiais militares fazem a segurança dentro dos ônibus em Fortaleza após série de ataques 
— Foto: Sistema Verdes Mares

Camilo Santana também destacou que vai apresentar um projeto de lei que beneficia pessoas que denunciarem autores de ataques violentos no estado. O projeto será votado neste sábado, em uma sessão extraordinária, durante o recesso parlamentar.

A Lei da Recompensa prevê pagamento em dinheiro por informações repassadas pela população à polícia e que resultem na prevenção de atos criminosos e prisão de bandidos envolvidos nas ações.

O governador anunciou também um pacote de medidas contra os ataques, que incluem a convocação de policiais da reserva e a autorização de pagamento de hora extra além do que é permitido atualmente. Para efetivar as mudanças, é preciso de aprovação na Assembleia Legislativa, onde o governador tem ampla maioria do apoio.

Entenda o que está acontecendo no Ceará

O governo criou a secretaria de Administração Penitenciária e iniciou uma série de ações para combater o crime dentro dos presídios.
O novo secretário, Mauro Albuquerque, coordenou a apreensão de celulares, drogas e armas em celas. Também disse que não reconhecia facções e que o estado iria parar de dividir presos conforme a filiação a grupos criminosos.

Criminosos começaram a atacar ônibus e prédios públicos e privados. As ações começaram na Região Metropolitana e se espalharam pelo interior ao longo da semana.

O governo pediu apoio da Força Nacional. O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, autorizou o envio de tropas; 406 agentes da Força Nacional reforçam a segurança no estado.

A população de Fortaleza e da Região Metropolitana sofre com interrupções frequentes no transporte público, com a falta de coleta de lixo e com o fechamento do comércio.

Onda de violência afastou turistas e fez a ocupação hoteleira no estado cair.


Explosão destruiu torre de distribuição de energia em Maracanaú, na Grande Fortaleza — Foto: Hermann Rabelo

Explosão destruiu torre de distribuição de energia em Maracanaú, na Grande Fortaleza — Foto: Hermann Rabelo



Nenhum comentário:

Postar um comentário