PONTO DO BEM

PONTO DO BEM
PETROLÂNDIA-PE

domingo, 25 de novembro de 2018

Sem cubanos e violentas, favelas do Rio sofrem para atrair médicos


Sete dias foi quanto uma médica pernambucana aguentou na favela antes de desistir do emprego em 2017
Via Notícias ao Minuto
25.11.2018 
© Nacho Doce/Reuters

Nas paredes e vidraças, 12 marcas de bala. Na entrada, uma sala de espera vazia, transferida para um auditório escondido da linha de tiro. Nos fundos, uma porta de emergência, construída para facilitar a fuga em caso de confrontos armados.
Pode parecer um bunker de guerra, mas é a clínica da família Ministro Adib Jatene. Ela fica no meio do complexo de favelas da Maré, na zona norte do Rio de Janeiro, de frente para uma rua com conflitos recorrentes entre policiais e traficantes de drogas.
Sete dias foi quanto uma médica pernambucana aguentou ali antes de desistir do emprego em 2017. Desde o início do ano, há três vagas para brasileiros no programa Mais Médicos, de um total de 12, sem reposição por falta de interesse.
O risco de ser atingido por disparos que afugenta os médicos brasileiros das unidades de saúde em favelas do Rio é mais um desafio do governo federal desde a semana passada -quando os médicos cubanos começaram a deixar o Brasil após o fim do convênio entre os dois países.
Só eles que ocupavam de forma duradoura esses postos, que sofrem com a alta rotatividade de profissionais brasileiros assustados com os episódios de violência. Havia 224 cubanos do programa no estado e 41 na capital, a grande maioria em áreas periféricas.
Era o caso de Liliet Karin Cruz, que passou dois anos na unidade da Maré. Antes atuava na clínica da família Palmeiras, no alto do Complexo do Alemão (zona norte).


O motivo da transferência foi o fechamento definitivo da clínica do Alemão, que atendia quase 10 mil pessoas por mês, depois que policiais invadiram e usaram o local como base para disparar tiros durante um confronto com traficantes, em dezembro 2016.
Ela socorreu uma enfermeira que desmaiou e um colega que teve convulsões. Orientou equipe e pacientes a se deitarem no chão, onde se arrastou para checar se todos estavam bem. No dia seguinte, funcionários enchiam as mãos com cápsulas de balas recolhidas.
Na unidade em que atuou até a semana passada, na Maré, funcionários já sabem que o risco é iminente quando o caveirão blindado da polícia surge na via expressa mais próxima da clínica -que foi alvejada nove vezes nos últimos dois anos.
O procedimento padrão é fechar o portão, correr para as salas mais protegidas e esperar o tiroteio passar. A decisão de retomar o atendimento ou ir embora depende de uma consulta a uma rede de contatos locais, incluindo moradores, agentes comunitários e até traficantes.
No último ano, os tiroteios levaram a fechamentos temporários de clínicas no Alemão, Maré, Jacarezinho (zona norte) e Vila Kennedy (zona oeste). Para além dos conflitos armados, a violência impacta no dia a dia desses profissionais de outras formas.
Em uma cidade violenta da Baixada Fluminense, por exemplo, o medo de represálias de milicianos impediu uma equipe de médicos de denunciar uma adulteração de exames de sífilis pela prefeitura, segundo conta um supervisor do Mais Médicos que pede para não ser identificado.
A reportagem conversou com seis gerentes, colegas e supervisores de médicos cubanos em áreas de conflito no Rio, além de pacientes, que defenderam a sua atuação. A principal diferença, dizem, é que eles se aproximam mais dos pacientes e estão sempre presentes.
Segundo os relatos, os estrangeiros cumprem à risca as 40 horas semanais de trabalho, enquanto brasileiros às vezes faltam ou descumprem a carga horária -muitos veem o emprego como temporário e atuam em outros locais.
"Os médicos brasileiros não param no posto. Antes da cubana chegar, cada hora a gente era atendido por um", conta a dona de casa Charla Muniz, 45, moradora da comunidade Manguariba (extremo oeste).
"Na relação interpessoal, os cubanos também têm mais facilidade", diz Carlos Vasconcelos, médico de família na Maré. "O brasileiro vem de classe mais alta, então tem dificuldade de dialogar com aquela população, num lugar sem saneamento, com fuzil na porta."
Se a língua é uma barreira transponível (às vezes com a ajuda de enfermeiros), as diferenças na formação e na estrutura do sistema de saúde dos dois países podem causar dificuldades para os cubanos.
"Às vezes eles usam uma medicação ou técnica diferente pelo fato de o sistema deles ser mais simples, mas não compromete", diz um supervisor da região da Baixada. "Os que eu supervisionei não eram tecnicamente excelentes, mas oscilavam num nível aceitável."
Garcia Vergara, também supervisor de médicos do programa e coordenador do curso de medicina da família na Universidade do Estado do Rio, avalia que "o cubano é mais focado na doença, e o brasileiro, no paciente". "Não quer dizer que são ruins, a formação é boa, mas diferente."
Além das 32 horas de trabalho e 8 horas de especialização e estudos semanais obrigatórias no programa, os estrangeiros recebem um mês de aulas de português e treinamentos com protocolos brasileiros. Eles não precisam revalidar seu diploma no Brasil.
Para a empregada doméstica Helena A., 56, porém, que sofre com problemas renais, a única preocupação é a falta de médicos. "Deus queira que consigam repor essas vagas. Não importa ser cubano ou brasileiro, desde que tragam mais gente para a Maré", diz. Com informações da Folhapress.




Nenhum comentário:

Postar um comentário