Pesquisar este blog

CLICK NA IMAGEM E VEJA COMO VOCÊ PODE CONCORRER AOS SORTEIOS DE SETEMBRO

Casa da Marmita, Bar, Restaurante e Delivery

Casa da Marmita, Bar, Restaurante e Delivery
Contato: 87 9 96414424

Aurinézio

Aurinézio

RC SERVIÇOS TOPOGRÁFICOS

AGÊNCIA ATIVOS

VIDRAÇARIA TICO VIDROS, em Petrolândia - PE

VIDRAÇARIA TICO VIDROS, em Petrolândia - PE

FARMÁCIA ESPERANÇA

FARMÁCIA ESPERANÇA

ELETROLÉO

ELETROLÉO

terça-feira, 10 de agosto de 2021

Urna eletrônica já deu 115 milhões de votos ao clã Bolsonaro e garantiu 76 anos de salários

Levantamento feito pelo repórter Gabriel Barreira indica que Bolsonaro e os familiares foram eleitos 19 vezes.

Por Octavio Guedes e Gabriel Barreira
G1, 10/08/2021
Presidente Jair Bolsonaro segue atacando o uso de urnas eletrônicas nas eleições brasileiras. 
— Foto: Reuters/Ueslei Marcelino

Gratidão é uma palavra que não existe no dicionário de Bolsonaro. Se ele tivesse este sentimento, jamais atacaria a urna eletrônica que garante o sustento dele e de sua família desde a década de 90.

Levantamento feito pelo repórter Gabriel Barreira indica que Bolsonaro e os familiares foram eleitos 19 vezes, o que garantiu 76 anos de mandatos para o clã. Quase um século de salários garantidos. Salários dos parlamentares eleitos pela franquia política com a marca Bolsonaro, além dos ganhos de assessores nomeados, obrigados a fazer rachadinha segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro.

Segue o relato de Gabriel:

Da primeira eleição eletrônica em 1996 a 2020, sempre houve um Bolsonaro candidato.

Jair, Flávio, Carlos, Eduardo e até uma de suas ex-mulheres, Rogéria, fizeram a vida na política.

O total de votos despejados neles ao longo desses 25 anos foi de 115.228.634, incluindo os dois turnos de 2018, como mostra esse levantamento exclusivo.


Bolsonaros

AnoCandidatoVotosFoi eleito?Cargo
1996Rogeria Nantes Braga Bolsonaro24891SimvereadorV
1998Jair Messias Bolsonaro102893SimDeputado federal
1998Renato Antônio Bolsonaro17219NãoDeputado estadual
2000Rogeria Nantes Braga Bolsonaro5109NãoVereador
2000Carlos Nantes Bolsonaro16053SimVereador
2000Renato Antonio Bolsonaro994NãoVereador
2002Flavio Nantes Bolsonaro31293SimDeputado estadual
2002Jair Messias Bolsonaro88945SimDeputado federal
2004Carlos Nantes Bolsonaro22355SimVereador
2004Renato Antonio Bolsonaro434NãoVereador
2006Jair Messias Bolsonaro99700SimDeputado federal
2006Flavio Nantes Bolsonaro43099SimDeputado estadual
2008Carlos Nantes Bolsonaro28209SimVereador
2008Renato Antonio Bolsonaro202NãoVereador
2010Jair Messias Bolsonaro120646SimDeputado federal
2010Flavio Nantes Bolsonaro58322SimDeputado estadual
2012Carlos Nantes Bolsonaro23679SimVereador
2012Renato Antonio Bolsonaro2955NãoVereador
2014Jair Messias Bolsonaro464572SimDeputado federal
2014Eduardo Bolsonaro82224SimDeputado federal
2014Flávio Nantes Bolsonaro160359SimDeputado estadual
2016Carlos Nantes Bolsonaro106657SimVereador
2016Renato Antonio Bolsonaro2473NãoVereador
2016Flávio Bolsonaro424.307NãoPrefeito
2018Jair Messias Bolsonaro57797847SimSegundo turno/Presidente
2018Jair Messias Bolsonaro49277010Ida ao 2º turnoPrimeiro Turno/Presidente
2018Flávio Nantes Bolsonaro4380418SimSenador
2018Eduardo Nantes Bolsonaro1843735SimDeputado federal
2020Rogeria Nantes Bolsonaro2034NãoVereador


O único que nunca conseguiu ser eleito foi o irmão do presidente Renato Bolsonaro. As outras duas derrotas da família foram de Rogéria, em 2000 e em 2020, quando já estava divorciada de Jair. Flavio Bolsonaro perdeu uma eleição para prefeito do Rio em 2016, mas já era deputado estadual.
A teoria conspiratória de que o "sistema" se volta contra Bolsonaro para não elegê-lo esbarra num pequeno detalhe: os fatos.
Corria o mês de maio de 1999. FHC era o presidente e Jair defendeu empilhar seu corpo numa guerra civil. "Matando uns 30 mil, começando com FHC".
Durante os dois mandatos tucanos, apesar das ameaças, a urna eletrônica elegeu Bolsonaros cinco vezes.

Depois veio Lula, a quem Bolsonaro chamou de ladrão, mafioso, corrupto e mentiroso — como registram as notas taquigráficas da Câmara dos Deputados.

E, enquanto o petista foi presidente, a urna eletrônica elegeu a família do capitão em outras seis oportunidades.

Se a urna é fraudável, por que FHC e Lula não tiraram Bolsonaro do pleito? E por que ela seria fraudada agora, justamente quando o capitão é o líder máximo da nação?



Nenhum comentário:

Postar um comentário