Pesquisar este blog

CLICK NA IMAGEM E VEJA COMO VOCÊ PODE CONCORRER AOS SORTEIOS DE SETEMBRO

Casa da Marmita, Bar, Restaurante e Delivery

Casa da Marmita, Bar, Restaurante e Delivery
Contato: 87 9 96414424

VIDRAÇARIA TICO VIDROS, em Petrolândia - PE

VIDRAÇARIA TICO VIDROS, em Petrolândia - PE



terça-feira, 10 de agosto de 2021

Líder do governo, senador Fernando Bezerra reprova ato com militares

Durante a sessão da CPI da covid desta terça-feira, o parlamentar lamentou o desfile de veículos da Marinha pela Esplanada dos Ministérios. "Eu aposto na democracia", disse

Fonte: Correio Braziliense, 10/08/2021
Por Algusto Fernandes 

(crédito: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do governo no Senado, reprovou a apresentação de militares na Esplanada dos Ministérios, na manhã desta terça-feira (10/8). Em um ato inédito, a Marinha desfilou com 44 veículos blindados em frente ao Palácio do Planalto e do Congresso Nacional, bem como entregou ao presidente Jair Bolsonaro um convite para que ele assista a Operação Formosa, um treinamento militar da Marinha, que acontecerá no próximo dia 16, em Formosa (GO).

Durante a sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19 desta terça, diversos senadores repudiaram o ato militar, pois interpretaram o evento como uma espécie de intimidação de Bolsonaro contra o Congresso e uma ameaça de golpe militar por parte do presidente. Bezerra Coelho não criticou Bolsonaro, mas disse que compartilha das preocupações dos parlamentares que se manifestaram contrariamente à apresentação da Marinha.

“Estamos em trincheiras distintas, mas somos do parlamento brasileiro. Eu tenho uma história nesse Congresso Nacional, sou subscritor da Constituinte cidadã. Eu aposto na democracia, eu aposto no estado de direito democrático. É por isso que quero compartilhar as preocupações de todos que aqui reverberaram”, ponderou o líder do governo.

Bezerra Coelho disse, contudo, que não têm faltado aos integrantes do governo “os alertas e as ponderações para que a gente possa evitar os ambientes de radicalização”. “Nosso papel, como membros do Congresso Nacional, é criar e apostar num ambiente de diálogo para que a gente possa pular essa situação de radicalização, de polarização excessiva, que não atende aos interesses nacionais”, disse o senador.


Nenhum comentário:

Postar um comentário