segunda-feira, 10 de maio de 2021

Populismo que ronda democracia brasileira é “antessala do golpe”, diz Fachin

Ministro defende sistema eleitoral
Será o novo presidente do TSE

O ministro Edson Fachin, do STF, afirmou que é preciso "sair da crise sem sair da democracia"

Secom/STF

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin afirmou que o populismo totalitário é a “antessala do golpe“. Para ele, esse é um perigo que ronda a democracia brasileira. Fachin, que será o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) durante as eleições de 2022, diz que é necessário preservar o sistema eleitoral brasileiro.

“O populismo totalitário ronda a democracia brasileira. É fundamental esse alerta, porquanto é antessala do golpe“, disse o ministro em entrevista ao jornal Correio Braziliense publicada nesta 2ª feira (10.mai.2021). “O mais grave é essa visão personificada do povo em contraste com as instituições. As eleições de 2022 trazem à tona um imperativo categórico: preservar o sistema eleitoral brasileiro“.

Na 5ª feira (6.mai) o presidente Jair Bolsonaro afirmou que, se o projeto que instituiu o voto impresso e auditável for aprovado no Congresso, será adotado no Brasil. “Se não tiver voto impresso, é sinal que não vai ter eleição! Acho que o recado está dado”, declarou em sua live semanal.

Fachin disse ainda que é preciso uma união em meio a diversidade. “Precisamos sair da crise sem sair da democracia“, afirmou. “O país não pode esperar mais“.

O ministro disse que a pandemia colocou ao Brasil diferentes tipos de emergência. A crise sanitária, segundo Fachin, exige políticas públicas de saúde, enquanto a crise social evidencia a necessidade de políticas sociais inclusivas, principalmente na área da educação. Já a emergência econômica requer políticas de igualdade “substancial”, com um “patamar mínimo de dignidade existencial”

O ministro considera que há também uma crise de gestão que só será resolvida com ações coordenadas entre o Estado e a sociedade. “Não há uma única bula. Cada povo, sociedade, Estado e governos devem encontrar, dentro da vida aberta e plural, seus caminhos.”

O ministro defendeu a vacina como uma forma de garantir o direito universal e gratuito à saúde durante a pandemia.

Fachin disse que a pandemia está provocando momentos de luto e tensão permanentes e que vê no país uma “recessão democrática” com “indicadores contundentes de barbárie”. Ele aponta os mais de 400 mil mortos pela covid-19 e a operação que terminou com 29 mortos em Jacarezinho, no Rio de Janeiro, como sinais.

“As funções públicas precisam estar à altura desses desafios, começando por reconhecer as falhas e as tragédias, senão colapsaremos, e a vida será mesmo absurdamente descartável”, afirmou.


Fonte: Poder 360
Blog SNP, 10/05/2021






Nenhum comentário:

Postar um comentário