PAULINELLY CHALÉS

PAULINELLY CHALÉS
CLICK NA IMAGEM E VEJA DETALHES

PONTO DO BEM

PONTO DO BEM
PETROLÂNDIA-PE

CLICK NA IMAGEM

CLICK NA IMAGEM
ACESSE .... CONTRIBUA... COMPARTILHE

AURINÉZIO CONSTRUÇÕES

AURINÉZIO CONSTRUÇÕES
BAIRRO NOVA ESPERANÇA, Avenida Padre Cícero, nº 90

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Governo negocia até R$ 2 bi extras para honrar emendas e votar Previdência

Guilherme Mazieiro, Antonio Temóteo e Luciana Amaral
Do UOL, em Brasília
06/08/2019
Blog SNP, 08 de Agosto de 2019

Às vésperas da votação do segundo turno da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, o governo negocia com líderes partidários a aprovação de um PLN (Projeto de Lei do Congresso Nacional) de até R$ 2 bilhões. A proposta é aprovar um crédito extra para que o governo Jair Bolsonaro (PSL) tenha condições de honrar o pagamento de emendas para deputados que ajudaram na aprovação da reforma. As negociações com os parlamentares são feitas pessoalmente pelo ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho.

Assessores palacianos afirmaram reservadamente que a eventual aprovação do PLN para abrir espaço orçamentário para o pagamento das emendas é considerada a última cartada do governo para aprovar o texto. 

Tanto o ministro da Economia, Paulo Guedes, quanto o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), estão cientes das tratativas. Entretanto, Maia não quer se envolver diretamente no processo. 

Segundo lideranças da Casa e do governo, havia pressão de partidos do Centrão para que o projeto de crédito extra fosse aprovado antes da votação do segundo turno da reforma da Previdência. Entretanto, Maia e líderes governistas são contra essa possibilidade porque poderia indicar uma relação direta entre pagamento de recursos e votos pela Previdência. 

O ministro Onyx Lorenzoni e o secretário circulam pela Câmara na tarde de hoje para negociar a votação da Previdência. O projeto pode entrar em pauta hoje (06/08) ou amanhã (07/08), dependendo do quórum no plenário. 

O Planalto também tem ciência de que parte das promessas feitas aos parlamentares no primeiro turno da reforma ainda não foi cumprida, mas acredita que chegará a um consenso com os parlamentares para não prejudicar a tramitação da proposta.


Nenhum comentário:

Postar um comentário