PONTO DO BEM

PONTO DO BEM
PETROLÂNDIA-PE

domingo, 16 de setembro de 2018

Haddad diz que, definido o 1º turno das eleições, é preciso ‘unir o máximo possível’


O candidato à Presidência da República pelo PT, Fernando Haddad, faz campanha na avenida Paulista — Foto: Fábio Vieira/Fotorua/Estadão Conteúdo

Por Vivian Reis, G1, São Paulo
16/09/2018 18h37

Em caminhada na Paulista, candidato do PT à Presidência da República defendeu que seja construída uma "plataforma comum" ao comentar se havia se inspirado em programa de Ciro Gomes (PDT).

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, disse neste domingo (16) que é preciso “construir uma plataforma comum” e, definido o primeiro turno das eleições, “unir o máximo possível”.

Ele deu a declaração ao ser questionado se, para montar o seu programa, havia se inspirado em alguma proposta do candidato do PDT a presidente, Ciro Gomes, que também disputa votos da esquerda.

“O Ciro já declarou que nos daria apoio no segundo turno. Temos que construir uma plataforma comum. Definido o primeiro turno, a gente precisa unir o máximo possível. É o que o país espera, que retiremos o país dessa crise, viremos a página desses descasos todos”, afirmou Haddad a jornalistas.

O petista disse que procurou “fazer um apanhado de todas as boas propostas no país, inclusive nos governos do estado, para que pudesse fazer o programa mais amplo possível”. Na avaliação dele, o programa petista deverá ter apoio da “ampla maioria depois das eleições”.

Ao ser oficializado como candidato a presidente na chapa do PT, Haddad apresentou um programa de governo ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no qual promete criar o "programa Dívida Zero" para consumidores que estão com o nome sujo no SPC/Serasa.

A proposta não existia nesses termos no programa de governo apresentado quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva era o candidato do partido e guarda semelhança com a "Nome Limpo", uma das principais promessas de Ciro Gomes.

Caminhada

Ao lado de militantes, o petista fez uma caminhada pela avenida Paulista, em São Paulo, que, aos domingos, fica fechada aos carros e abre somente para pedestres. Ao som de batucada e jingles de campanha, Haddad tirou fotos com apoiadores e recebeu flores.

A avenida Paulista é o principal palco de manifestações da capital paulista e, na época do processo de impeachment de Dilma Rousseff, era onde se reuniam os manifestantes a favor do afastamento da presidente. Os petistas se concentravam, principalmente, no Centro e no Largo da Batata, na zona oeste.

Lula

Indagado se, caso eleito, pretende conceder indulto ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso em Curitiba desde abril, Haddad respondeu que os “vícios do processo chamaram a atenção”.

"O presidente Lula, na ocasião do registro da sua candidatura, pediu que seu processo fosse julgado com imparcialidade, como recomendou a ONU. A ONU está pedindo julgamento justo para o Lula. Se a ONU está pedindo deve ter alguma razão. Os vícios do processo chamaram a atenção de vários chefes de estado do mundo inteiro”, respondeu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário