PONTO DO BEM

PONTO DO BEM
PETROLÂNDIA-PE

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Chacina no bairro do Guamá em Belém, (Pará) 11 mortos neste domingo 19.05

Reprodução

Onze pessoas morreram, na tarde deste domingo (19.05), após uma chacina em um bar localizado na passagem Jambu, no bairro do Guamá, em Belém. As vítimas são cinco mulheres e seis homens. 

De acordo com informações de testemunhas, que preferiram não se identificar, homens encapuzados, em um carro preto e uma moto, chegaram no local e efetuaram os disparos. A maioria atingiu a cabeça das vítimas.

A dona do estabelecimento, identificada apenas como Vanda, também foi vítima da chacina. Um homem identificado como Anderson Gonçalves dos Santos foi baleado e levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Terra Firme.

Algumas pessoas que estavam no bar conseguiram se esconder no fundo do estabelecimento e não foram baleadas. 
DOL recebeu imagens do local do crime, mas por ser um conteúdo muito forte, optamos por não publicar.

A Polícia esteve no local. Até a publicação da matéria, não se sabe a causa, ou suspeitos de serem os autores dos crimes.

Por DOL
19 de maio de 2019




domingo, 19 de maio de 2019

LITERATURA DE CORDEL : "Eterno Povoado de Barreiras", poeta Petrolandense Tony Xavier

Foto: Tony Xavier


Eterno povoado de Barreiras


Mergulhei novamente no passado
Pra rever os lugares que deixei
Tantas coisas jogadas encontrei
Fiquei triste bastante angustiado
Em momentos também emocionado
Porque lá eu deixei meu coração.
Boa Vista, Altinho e Portão
A Igreja Sagrada de Barreiras
A feirinha e Rua da Mangueira
São eternas aqui no coração!

Fui na comunidade Santa Helena
Foi lá que bateu forte á emoção
Resolvi dar um salto no portão
E comigo de novo o mesmo tema
Emoções repetiram a mesma cena
Ao sentir bem de perto á solidão.
Vi escombros de casas pelo o chão
Sinto esta tortura á vida inteira
Á feirinha e rua da mangueira
São eternas aqui no coração!

Jamais vou aceitar o que passou
Muito embora eu sei que não tem jeito
Essa dor vai está dentro do peito
Para mim nada disso acabou.
Á memória não se acostumou
Conviver  com á triste decisão
Tô sofrendo sem paralisação
É terrível viver desta maneira
Á feirinha e rua da mangueira
São eternas aqui no coração!

Por Tony Xavier
O poeta do povo

Petrolândia - PE, 19 de maio de 2019

Carro pega fogo na BR-316, em Petrolândia, no Sertão de PE [Vídeo]

Um carro pegou fogo enquanto trafegava pela BR-316 em Petrolândia-PE, na tarde deste sábado (18/05). Segundo o Corpo de Bombeiros, nenhuma pessoa ficou ferida.



De acordo com informações, o veículo, um Fiat Uno, seguia em direção à Jatobá-PE. O fato aconteceu por volta das 17h40min, na saída do município.

Os bombeiros foram acionados e combateram as chamas no local. Conforme as primeiras informações, o incêndio teria sido provocado por uma pane elétrica no veículo.





Por Redação/Informações: Central de Imprensa do Corpo de Bombeiros de PE.
Do Blog Petrolândia Notícias 


HOMEM É PRESO EM PETROLÂNDIA - PE: Homem é preso após tentar entrar na cadeia de Petrolândia com maconha e celulares em fundo falso de marmita




Foi na noite dessa sexta-feira (17.05) volta das 18h20min, que Policiais Militares da 4ª CIPM - Companhia Independente de Polícia Militar, através do GT-4011 foram acionados pela Central de Operações para dar apoio na Cadeia Pública de Petrolândia. 

No local, o Sgt Assis (Guarda Patrimonial) flagrou, durante a entrega do almoço aos presos, uma marmita com fundo falso contendo dois celulares e uma porção de maconha tentando ser entregue por Isaac José da Silva de 32 anos. 

Diante dos fatos, o imputado e o material apreendido foram encaminhados a Delegacia de Polícia Civil de Floresta para que fossem tomadas as medidas cabíveis, conforme o BO n' M10499528/2019.

Por Redação/Informações e fotos: Seção de Comunicação da 4ª CIPM de Petrolândia
Do Blog Petrolândia Notícias
Aqui no SNP (19 de maio de 2019)



Click na Imagem e conheça o melhor point da cidade 

ACIDENTE EM PETROLÂNDIA - PE: Foi registrado na manhã deste domingo (19.05), no Bairro Nova Esperança um acidente automobilístico na BR 316 [vídeo e imagens]







Na manhã deste domingo, (19.05), por volta das 5h30 min, aconteceu um acidente automobilístico, na BR 316, no Bairro Nova Esperança, em Petrolândia, no Sertão de Pernambuco. O veículo vinha no sentido Floresta a Petrolândia.

O condutor, identificado, por amigos, como Vademar, (Civil que presta serviço ao exército, na transposição do Rio São Francisco), um deles que nos informou o nome, é o dono do Honda Civic. Ambos amigos do motorista, servem ao exercito, também na transposição.  

DETALHES DO ACIDENTE; RELATO DO MOTORISTA E  RELATO DE POPULARES NO LOCAL

O motorista conduzia um Honda Civic, de placa NHX - 6224, Picos-PI, informou ao proprietário do motel, que vinha na BR 316, no sentido Floresta a Petrolândia. Perdeu o controle do veículo, ao ser fechado por um caminhão. 

O carro percorreu sem controle, um trajeto em média de 100 metros na pista. O lado esquerdo na pista, e o outro lado fora da pista. Saltando de uma altura de uns dois metros, e percorreu em média de mais 20 metros fora da pista, e capotou próximo ao muro de um motel.


O proprietário do "Motel Só Love", conversou com nossa redação, e nos informou que por volta das 5h32min, ligaram para ele, informando do ocorrido. O mesmo rapidamente foi ao local, já que o acidente foi em frente ao seu estabelecimento. Chegando ao local, constatou a veracidade do fato.  Ele nos disse que o condutor (motorista), que era a única pessoa no veículo, e aparentemente estava bem, mas tinha um corte na cabeça. O proprietário o conduziu ao Pronto Socorro do Hospital Municipal de Petrolândia, que a principio, o mesmo não queria ir, mas no fim, acabou aceitando, e foi para ao PS.

O veículo destruiu pilares de proteção, grades, plantas parte de uma e uma fossa, todos em frente ao motel.  

Outro Relato:

O jovem que estava em uma moto, nos informou, que o Honda Civic passou por ele, segundos antes, em alta velocidade, mas não viu detalhes do acidente.   




Uma viatura da Polícia Militar da 4ª CIPM, este no local, e policiais conversaram com os dois jovens do exercito, um deles erá o dono do veículo. Eles informaram que iriam ligar para  comando do exército, para ir até o local, e ver as medidas a serem tomadas.


VÍDEO: Trajeto que foi percorrido pelo veículo antes de capotar 




Outras imagens do acidente 




Nas imagens a seguir, pode se ver árias imagens de partes do carro que fora ficando no trajeto, que o carro percorreu antes de capotar. 




sábado, 18 de maio de 2019

Assessor de Mourão é alvo na investigação de Flávio Bolsonaro

A quebra de sigilo bancário alcançou um assessor direto do vice-presidente Hamilton Mourão, o advogado João Henrique Nascimento de Freitas

Por Estadão
Via Notícias ao Minuto
18 de maio de 2019

© Luisa Gonzalez/Reuters

A quebra de sigilo bancário e fiscal decretada pela Justiça do Rio na investigação envolvendo o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) alcançou um assessor direto do vice-presidente Hamilton Mourão, o advogado João Henrique Nascimento de Freitas, que também é o atual presidente da Comissão de Anistia.

Freitas entrou na lista das 86 pessoas atingidas pela medida solicitada pelo Ministério Público do Rio porque trabalhou durante sete anos como assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), entre 2005 e 2012. Promotores investigam um suposto esquema de desvio de dinheiro no gabinete do ex-deputado estadual conhecido como "rachadinha", no qual funcionários são obrigados a devolver parte do salário ao parlamentar.

A suspeita é de que a prática tenha ocorrido entre 2007 e 2018 e a arrecadação tenha sido coordenada por Fabrício Queiroz, ex-motorista de Flávio que teve uma série de movimentações financeiras consideradas atípicas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). O caso foi revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo em dezembro passado.

Outros seis investigados estão lotados no Senado, sendo que cinco continuam no gabinete de Flávio Bolsonaro: Fernando Nascimento Pessoa, Lygia Regina de Oliveira Martan e Miguel Ângelo Braga Grillo, ganhando cada um R$ 22,9 mil de salário em Brasília, e Alessandra Esteves Marins e Juraci Passos dos Reis, que recebem R$ 8,9 mil cada no escritório político no Rio.

O sexto é Leonardo Rodrigues de Jesus, conhecido como Léo Índio. Primo de Flávio, ele trabalhou no gabinete do ex-deputado entre 2006 e 2012 e hoje está lotado no gabinete do senador Chico Rodrigues (DEM-RR).

O assessor de Mourão é o único dos 86 alvos da quebra de sigilo decretada pela Justiça do Rio que ocupa cargo no governo federal, segundo levantamento feito pelo jornal no Diário Oficial da União. Em seu perfil divulgado na internet, Freitas afirma ter atuado como assessor jurídico e chefe de gabinete de Flávio na Alerj. Em janeiro, Freitas foi nomeado assessor especial do vice general Mourão, com remuneração bruta de R$ 13,6 mil, despachando no anexo II do Palácio do Planalto. Em março, foi nomeado pela ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) como presidente da Comissão de Anistia, instituída em 2002 com o objetivo de reparar as vítimas de atos de exceção ocorridos entre 1946 e 1988 no País.

O Ministério Público Federal pediu a anulação da nomeação na Justiça por causa da ação de Freitas contra determinadas anistias no passado. O pedido foi negado pela Justiça neste mês.

Senador nega irregularidades e critica 'vazamentos'

Procurada pela reportagem, a assessoria da Vice-Presidência da República informou que o assessor João Henrique Nascimento de Freitas não se manifestaria sobre a quebra de sigilo e que o vice Hamilton Mourão estava em viagem oficial ao Líbano.

Em nota, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) afirmou que todos os assessores citados "têm reputação ilibada, larga e comprovada experiência" e que "o fato de ter sigilo quebrado não torna ninguém criminoso".

Ele disse repudiar que "setores da imprensa" que são "abastecidos por vazamentos ilegais" pelo Ministério Público "insistam em criar polêmicas e atribuir falsas irregularidades onde não há para atingir ele e o governo de Jair Bolsonaro". Os assessores dele e o primo Léo Índio não quiseram se pronunciar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

BRASILEIRÃO 2019: Palmeiras e Santos duelam pela liderança do Brasileiro

Os dois clubes têm dez pontos na tabela e estão empatados com o São Paulo na primeira posição

Por Estadão
Via Notícias ao Minuto
18 de maio de 2019

© Jorge Adorno / Reuters


O Pacaembu será neste sábado (18.05), às 19 horas, o local do quinto confronto direto entre os dois únicos técnicos em atividade no futebol brasileiro que trabalharam em Copas do Mundo e dirigiram times europeus. Luiz Felipe Scolari, do Palmeiras, e Jorge Sampaoli, do Santos, travam batalha tática particular no duelo direto entre o líder e o segundo colocado do Campeonato Brasileiro.

Os dois clubes têm dez pontos na tabela e estão empatados com o São Paulo na primeira posição. Os três paulistas são os únicos invictos no torneio, mas o Palmeiras está na frente por ter um saldo de gols melhor.

Felipão e Sampaoli conhecem bem o trabalho um do outro e têm respeito mútuo, pois sabem o quanto o rival é competente e costuma dar trabalho. Os quatro confrontos anteriores entre os dois foram apertados, com uma vitória para o técnico gaúcho e três empates.

A dupla se encontrou pela primeira vez em 2013, quando eles dirigiam as seleções de Brasil e Chile. Em abril daquele ano, no Mineirão, o amistoso terminou empatado por 2 a 2. Meses depois, em novembro, um novo encontro amistoso foi realizado no Canadá. Desta vez, a seleção brasileira ganhou por 2 a 1.

O encontro mais épico entre os dois treinadores ocorreu em junho de 2014. Nas oitavas de final da Copa do Mundo, também no Mineirão, Brasil e Chile ficaram no 1 a 1, em um jogo muito duro para a seleção da casa. Nos pênaltis, os comandados de Felipão ganharam por 3 a 2 e seguiram no torneio. Sampaoli esteve perto de fazer história, pois o atacante Pinilla acertou o travessão em chute firme no fim da prorrogação.

Aquela partida foi a única da Copa em que a seleção brasileira teve posse de bola inferior à do adversário. O Chile dirigido por Sampaoli tinha algumas características em comum como o Santos atual: futebol em velocidade e proposta ofensiva.

Os dois treinadores se reencontraram em fevereiro deste ano, em clássico pelo Campeonato Paulista no Allianz Parque. O Palmeiras era favorito, uma vez que jogava com o time titular. O Santos escalou reservas, pois preservou os principais jogadores para uma partida pela Copa Sul-Americana que ocorreria três dias depois.

Curiosamente, Sampaoli abriu mão do jogo ofensivo e escalou o Santos com uma formação mais precavida. Os reservas do time da Vila Belmiro seguraram o ímpeto dos palmeirenses. O jogo terminou empatado sem gols.

Enquanto o argentino Sampaoli arma a equipe com estilo ofensivo e tem apreciado ao máximo a nova vida no Brasil, Felipão prefere trabalhar com uma proposta diferente, mas conhecida e eficiente. O técnico campeão brasileiro gosta de montar defesas sólidas, defende o estilo pragmático de futebol de resultados e é discreto na vida pessoal. Já o colega de profissão, virou atração em Santos por jogar futevôlei na praia e andar de bicicleta pela cidade.

As duas diferentes filosofias de pensar o futebol chamam a atenção até mesmo dos jogadores dos dois times. "São dois estilos totalmente distintos de jogo. A gente preza pelo equilíbrio, tanto ofensivo quanto defensivo, e o Santos já tem por característica ser mais ofensivo. Vai ser bem estudado, um jogo interessante, que rende discussão. Os estilos têm dado resultados", diz o meia Moisés.

O zagueiro santista Lucas Veríssimo afirmou que, pelo fato de as equipes adotarem estilos diferentes, a partida deve ser interessante para o público. "Clássico é clássico. A tensão é até para o torcedor. Vai ser um grande jogo. Cada um vai dar o seu melhor, independentemente de tática e maneira de atuar."

O Palmeiras não poderá contar com o meia Gustavo Scarpa. O jogador ainda se recupera de lesão na perna direita. O time deve ser o mesmo do último domingo, quando bateu o Atlético-MG por 2 a 0, fora de casa.

O Santos encara o desafio de estar mais desgastado. O time teve compromisso no meio de semana pela Copa do Brasil - empate por 0 a 0 com o Atlético-MG - e o técnico vai escalar quem estiver mais descansado.



Bolsonaro muda versão e diz que não fez acordo com Moro para STF

Bolsonaro voltou atrás disse que não houve nenhum acordo com Moro sobre o STF

Por Notícias ao Minuto (17/05/2019)
Blog SNP (8/05/2019)

© José Cruz/Agência Brasil 

DALLAS, EUA (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro voltou atrás nesta quinta-feira (16) de sua primeira versão e disse que não houve nenhum acordo com o ministro da Justiça, Sergio Moro, para que ele assumisse uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal) após cumprir um período como titular no governo.

"Quem me acompanhou ao longo de quatro anos, sabe que eu falava que precisamos de alguém no Supremo com o perfil de Moro. Não teve nenhum acordo, nada, ninguém nunca me viu com Moro [antes da eleição]", afirmou o presidente durante transmissão ao vivo em suas redes sociais.

Bolsonaro, que estava em Dallas (EUA) para encontro com políticos e empresários americanos, disse que a primeira vez que falou com o ex-juiz foi, via telefone, durante a campanha eleitoral.

No último domingo (12), porém, Bolsonaro afirmou que assumiu o compromisso de indicar Moro para uma vaga no Supremo.

"Eu fiz um compromisso com ele, porque ele abriu mão de 22 anos de magistratura. Eu falei: 'a primeira vaga que tiver lá [no STF], está à sua disposição", disse o presidente em entrevista à rádio Bandeirantes.

Em seguida, Moro foi a público dizer que não existia nenhum acordo prévio entre ele e Bolsonaro para uma cadeira na corte. "Não vou receber um convite para ser ministro estabelecendo condição sobre circunstâncias do futuro que não se pode controlar."

O jogo de versões despertou o mundo político e, na avaliação de parlamentares, expôs o ex-juiz a um desgaste antecipado no Congresso -a indicação do presidente para o STF precisa ser aprovada pelo Senado.

Moro tem trabalhado para aprovar um pacote anticrime, que está parado na Câmara, e perdeu a batalha para manter o Coaf sob o guarda-chuva da Justiça. O órgão migrou para o Ministério da Economia, de Paulo Guedes.

O primeiro ministro do Supremo que deve deixar a corte é o decano Celso de Mello, que completa 75 anos -a idade de aposentadoria obrigatória- em novembro de 2020. A segunda vaga no STF deve ficar disponível com a aposentadoria de Marco Aurélio Mello, em julho de 2021.

Na entrevista à rádio Bandeirantes, Bolsonaro foi questionado sobre uma fala recente do ex-juiz da Lava Jato, que no final de abril disse ao jornal português Expresso que ir para o STF seria "como ganhar na loteria".

"Eu vou honrar esse compromisso. Caso ele [Moro] queira ir pra lá [STF], será um grande aliado. Não do governo, mas dos interesses do nosso Brasil dentro do STF", disse o mandatário.

Moro foi anunciado ministro da Justiça em 1º de novembro do ano passado, poucos dias depois da vitória do atual presidente no segundo turno das eleições presidenciais.

Quando comunicou seu embarque no governo, Moro disse ter aceitado o convite de Bolsonaro "com certo pesar" por ter de "abandonar 22 anos de magistratura".

"No entanto, a perspectiva de implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito à Constituição, à lei e aos direitos, levaram-me a tomar esta decisão. Na prática, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrupção dos últimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior", disse à época o ex-juiz.

RECUOS E DERROTAS DE MORO

Perda do Coaf

Criado em 1998, o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) é um órgão de inteligência financeira que investiga operações suspeitas. Ao assumir a Presidência, Bolsonaro tirou o Coaf do Ministério da Economia (antiga Fazenda) e o colocou na pasta de Moro, a Justiça. O ex-juiz acabou derrotado depois que a comissão especial do Congresso que analisa a reestruturação administrativa devolveu o Coaf à Economia.

Pacote anticrime parado

Principal iniciativa de Moro no ministério, proposta pouco avançou no Congresso, em meio a atritos com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que disse que projeto era "copia e cola" e Moro, um "funcionário de Bolsonaro" depois de o ex-juiz cobrar agilidade na tramitação do pacote.

Decreto das armas

Seu primeiro revés foi ainda em janeiro. O ministro tentou se desvincular da autoria da ideia de flexibilizar a posse de armas, dizendo nos bastidores estar apenas cumprindo ordens do presidente. Teve sua sugestão ignorada de limitar o registro por pessoa a duas armas -o decreto fixou o número em quatro.

Laranjas

No caso do escândalo de candidaturas de laranjas, enquanto Moro deu declarações evasivas, dizendo que a PF iria investigar se "houvesse necessidade" e que não sabia se havia consistência nas denúncias, Bolsonaro determinou dias depois, de forma enfática, a abertura de investigações para apurar o esquema.

Caixa dois

Por ordem do Palácio do Planalto, a proposta de criminalização do caixa dois, elaborada pelo ministro da Justiça, vai tramitar separadamente do restante do projeto anticrime.

Ilona Szabó

Moro teve de demitir a especialista em segurança pública por determinação do presidente, após repercussão negativa da nomeação. Ilona Szabó já se disse contrária ao afrouxamento das regras de acesso a armas e criticou a ideia de ampliação do direito à legítima defesa que está no projeto do ministro.








Disque 100 recebe 50 casos diários de crimes sexuais contra menores

Número pode ser maior porque vítimas não denunciam

Por Agência Brasil 
18 de maio de 2019

Arquivo/Agência Brasil

A cada dia, o Disque 100 (Disque Denúncia) recebe quase 50 denúncias relatando crimes sexuais cometidos contra crianças e adolescentes em todo o Brasil. O número é alto, mas pode ser maior, já que muitas das vítimas não registram a denúncia.

Segundo dados divulgados esta semana pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, o Disque 100 (Disque Direitos Humanos) recebeu 76.216 denúncias no ano passado envolvendo crianças e adolescentes, sendo que 17.093 desse total se referia à violência sexual. A maior parte delas é de abuso sexual (13.418 casos), mas havia também denúncias de exploração sexual (3.675). Só nos primeiros meses deste ano, informou a ministra Damares Alves, são 4.736 denúncias recebidas de violência sexual.

A maior parte desses crimes ocorre dentro de casa e são provocadas por mães, pais e padrastos, na maioria das vezes. “No que diz respeito aos abusos sexuais, por exemplo, chama atenção a relação de proximidade e confiança entre agressores e vítimas. É revoltante o que esses abusadores são capazes de fazer”, disse a ministra, ao divulgar os números.

“Quando é agressão sexual, na maioria das vezes [é provocada] pela figura masculina que está presente dentro de casa, seja pai, tio, avô ou irmão mais velho”, disse Dalka Chaves de Almeida Ferrari, especialista em Violência Doméstica pelo Laboratório de Estudos da Criança da Universidade de São Paulo e coordenadora do Centro de Referência às Vítimas de Violência de São Paulo do Instituto Sedes Sapientiae. “A maioria das vítimas são mulheres, mas já atendi vários casos de meninos pequenos que estão sendo vítimas de abusos de pais”, relembra.

Segundo o Ministério da Saúde, os casos de violência sexual no país somaram 184.524 ocorrências entre 2011 e 2017, sendo mais de 58 mil contra crianças (31,5% do total) e mais de 83 mil (45%) contra adolescentes. Quase 70% desses casos aconteceram dentro das casas das vítimas.

No caso das crianças, a maior parte era do sexo feminino (74,2% do total), tinha idade entre 1 e 5 anos (51,2%) e eram negras (45,5%). Um em cada três casos tinha caráter de repetição. Em 81,6% dos casos, o agressor era do sexo masculino e, em 37% deles, o autor do crime tinha vínculo familiar com a vítima.

Já no caso dos adolescentes, 92,4% das vítimas eram do sexo feminino e 67,8% estavam na faixa etária entre 10 e 14 anos. A grande maioria das vítimas são negras (55,5% do total). De cada dez registros de violência sexual contra adolescentes, seis ocorreram dentro de casa. O agressor é quase sempre do sexo masculino (92,4% do total), e 38,4% deles tinham vínculo intrafamiliar (familiar e parceiros íntimos).

Só no estado de São Paulo, conforme dados divulgados no site da Secretaria de Segurança Pública, foram registrados 2.241 casos de estupro de vulnerável, considerando-se apenas os três primeiros meses deste ano.

“Apesar do alto número de casos, São Paulo é o único estado do país que sem Delegacias Especializadas de Proteção de Crianças e Adolescentes [DPCAs]. As crianças e os adolescentes vítimas de violência são atendidas nas DDMs [Delegacias de Defesa da Mulher], que não funcionam à noite e nos finais de semana e feriados, exatamente os períodos que as violências e abusos mais ocorrem”, criticou Ariel de Castro Alves, especialista em direitos da criança e do adolescente e membro do Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Humana de São Paulo (Condepe).

Por meio de nota, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo informou que há 133 Delegacias de Defesa da Mulher (DDM) no estado especializadas em atender crianças e adolescentes vítimas de violência ou abusos. Segundo a secretaria, 10 delas são 24h. “Ainda, existem 27 Delegacias de Polícia da Infância e da Juventude pelo estado e mais duas pelo DHPP, a 4ª Delegacia de Repressão à Pedofilia e a Delegacia de Repressão aos Homicídios Praticados Contra Criança e Adolescente. Além das 162 especializadas, todos os distritos policiais paulistas têm condições de acolherem crianças e adolescentes”, acrescentou.

Segundo a secretaria, esse tipo de crime dificilmente ocorre em via pública, o que dificulta a ação policial. “Esse tipo de crime dificilmente ocorre em via pública, é praticado em ambientes internos e privados, fora do alcance policial, e por pessoas do convívio familiar”, informou. Por isso, lembrou o órgão, as denúncias desses crimes devem ser feitas pelos números 190, 181 ou em qualquer delegacia de polícia.

Como denunciar

Segundo o artigo 13 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), quando há suspeita ou confirmação de violações de direitos humanos de crianças e adolescentes, de qualquer tipo, incluindo a violência sexual (abuso ou exploração sexual), o caso deve ser sempre denunciado.

“Em geral, a denúncia começa pelo Conselho Tutelar”, disse Dalka. “Mas também se pode ir direto para uma delegacia da mulher ou delegacia comum porque é necessário ter um boletim de ocorrência para o processo fluir”, ressaltou. Depois dessa etapa, explicou a psicóloga, a criança ou o adolescente deverá ser analisado por um médico. Constatado o abuso ou a violência, a vítima deverá ser encaminhada para apoio psicológico, médico e judicial, com medidas protetivas.

“Inicialmente, [o denunciante] deveria procurar o Conselho Tutelar, que é o órgão responsável por uma verificação preliminar desses casos. Dentro dessa verificação preliminar – que pode ser o conselho se dirigir à casa da criança ou chamar os pais ou ouvir a própria criança na sede do Conselho Tutelar – se o conselho, de fato, verificar que existem indícios, ele vai encaminhar depois para a polícia abrir uma investigação”, explicou Ariel Alves.

Essa denúncia, segundo ele, também pode ser feita diretamente nas delegacias de Polícia, especialmente as especializadas em crianças ou adolescentes, ou na Delegacia da Mulher, onde geralmente há psicólogos e assistentes sociais para ouvir as vítimas. “A própria criança [que é vítima de violência] pode ligar no Disque 100 e falar o que está sofrendo. Ou até mesmo se dirigir ao Conselho Tutelar ou procurar professores para fazer a denúncia. Ou mesmo organizações sociais que atuam na área da criança e do adolescente”, disse Ariel Alves.

No Disque 100, destacou o advogado, a denúncia pode ser feita até mesmo de forma anônima. O problema é que esse serviço, destacou, vem apresentado falhas. “O próprio governo reconhece que o Disque 100 tem erros e erros que não são de agora, mas desde sua criação. Apenas 15% das instituições que receberam [as denúncias do Disque 100] deram retorno ao governo federal, segundo relatório oficial referente a 2017”, disse o especialista.

“Então, é necessário que ocorra uma repactuação entre todas essas instituições ou que o governo proponha uma lei que obrigue ou responsabilize essas instituições a responderem as denúncias”, acrescentou Ariel Alves. “A partir do momento em que esses órgãos não dão retorno para o serviço do Disque 100, nós não sabemos se essas crianças foram protegidas, se saíram daquela situação de violência, se os agressores foram punidos. Isso acaba gerando descrédito do próprio serviço”, reclamou.

Em resposta à Agência Brasil, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos reconheceu problemas no serviço. “O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos identificou que o serviço tinha uma certa demora no sistema URA [Unidade de Recepção Audível]. As medidas cabíveis foram tomadas. O atendimento do URA foi aperfeiçoado, a média de tempo gasto reduziu para um minuto até chegar ao atendente”.

O ministério disse ainda que “o Disque 100 funciona diariamente, 24 horas por dia, incluindo sábados, domingos e feriados” e que as “ligações podem ser feitas de todo o Brasil por meio de discagem gratuita, de qualquer terminal telefônico fixo ou móvel (celular), bastando discar 100”. Segundo o ministério, o serviço atende também a graves situações de violações que acabaram de ocorrer ou em curso, acionando os órgãos competentes, o que possibilita o flagrante.

Esta semana, durante apresentação dos dados do Disque 100, a ministra ressaltou que as crianças e os adolescentes “estão entre as prioridades desta gestão”. “Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para proteger os nossos pequenos”, enfatizou.

Dia Nacional

Neste sábado (18/05), é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. A data, promulgada em 2000, marca um caso de violência que chocou o país. Em 18 de maio de 1973, na cidade de Vitória (ES), uma menina de 8 anos, Araceli Cabrera Sánchez Crespo, foi raptada, drogada, estuprada, morta e carbonizada. Os suspeitos do crime eram de famílias de classe média alta do estado e o processo acabou sendo arquivado, após julgamento e absolvição dos acusados.



Pacientes com transtorno mental têm direito a tratamento humanizado

Fábio Pozzebom/Arquivo Agência Brasil

Era início da década de 1980, em Salvador, Bahia. Eduardo Calliga, hoje com 57 anos de idade, deixava a adolescência para se transformar em um jovem adulto, quando passou a ter alucinações e delírios. O diagnóstico correto – esquizofrenia, doença grave que acomete 21 milhões de pessoas em todo o mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) – demorou anos a ser fechado. Nesse intervalo, o jovem foi submetido a internações compulsórias em diversas instituições psiquiátricas.

Ele ressalta que, em sua trajetória de internações e falta de diagnóstico correto, parte das tribulações poderia ter sido evitada caso sua família soubesse lidar com o distúrbio. Dados da OMS mostram que, no caso da esquizofrenia, mais da metade dos pacientes não obtém o tratamento apropriado, proporção que atinge 90% em países de renda média e baixa.

Anos depois, aos 40 anos, ele tentava constituir a própria família, com o nascimento da filha. Mas o receio de ser um fardo para quem amava afastou Calliga da companheira e da menina, com quem conviveu até que completasse seu terceiro ano de vida.

Apesar de ter começado a construir uma vida com a qual sonhava, o sentimento de desamparo era maior e ele decidiu ir morar na rua. Calliga não achava que a família poderia ajudá-lo e avaliava que o Estado não provia suas necessidades. 

As experiências intercorriam como na história do rei Tântalo, que, faminto, chegava a avistar frutos que poderiam servir de alimento, mas, ao se aproximar deles, não conseguia alcançá-los. Calliga, ao narrar sua história à Agência Brasil, descreve sua vivência com um sentimento semelhante. 

Ciente do transtorno mental, hoje, ele faz tratamento com medicamentos, mas afirma que os laços afetivos rompidos nunca foram reatados.

Vida de internações

Diagnosticado com esquizofrenia paranoide, condição que o faz ouvir vozes, Calliga chegou a ser tratado erroneamente para transtorno bipolar.

Ele lembra que, nas vezes em que foi internado, agentes da Polícia Militar faziam o encaminhamento às instituições médicas. Ele afirma que esses profissionais não tinham o preparo adequado para atuar nessas circunstâncias e critica os locais em que foi internado.

"É um lugar de segregação e violência. Tinha contenção, usavam a força bruta para nos conter através da medicação ou ser amarrado na própria maca. O lugar era o mais árido possível. Uso a ferramenta das artes, sobretudo a poesia, para falar desses lugares”, afirma.

“A roupa que davam pra você, coubesse ou não em você, você tinha que vestir. O banho era às 5 horas da manhã. Aqueles que estavam meio sonolentos tinham que levantar e os que não conseguiam eram puxados à força pelo técnico de enfermagem, que, geralmente, era homem, de porte físico avantajado e metia medo. Isso é real", relembra.

Calliga afirma que sua mãe também tinha transtornos mentais e que os parentes faziam piada. Um de seus dois irmãos, já falecido, era alcoólatra.

"Minha mãe fez uso de eletrochoques e era alvo de gozação na hora do almoço, em reuniões sociais, em que lembravam isso de forma irônica, como brincadeira. Hoje consigo identificar mais pessoas próximas que também tinham questões de saúde mental", comenta Calliga.

Militância

Há cerca de um ano, Calliga tornou-se membro do Conselho Estadual de Saúde da Bahia. O objetivo é ajudar os pacientes com transtornos mentais a ter acesso a um atendimento humanizado.

Com o objetivo de reafirmar os direitos dos pacientes, lembrados hoje (18), Dia Nacional da Luta Antimanicomial, ele integra a Associação Metamorfose Ambulante de Usuários e Familiares do Serviço de Saúde Mental (Amea). A data lembra a sanção da Lei nº 10.216/2001, também conhecida como Lei da Reforma Psiquiátrica, sancionada pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso. 

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Show acústico de EVÂNIO BARBOSA no Recato do Matuto em Caraibeiras (Tacaratu - PE)


Neste sábado (18.05) a partir das 20h, o seu encontro com um repertório diversificado, com grandes sucessos, está agendado  com o cantor Evânio Barbosa, em um grande show acústico,  que vai fazer você  cantar e se apaixonar. 

Será no "Recato do Matuto", em Caraibeiras (Tacaratu - PE). Não perca este grande momento. Mesas limitadas, corra e adquira a sua!  



Por Redação do Blog Sertão News Petrolândia 
17 de maio de 2019

Falta de Água em Petrolândia - PE: Compesa informa interrupção do fornecimento de água no município nesta tarde de sexta-feira (17.05)



AVISO

Compesa avisa que  haverá interrupção do fornecimento de água, nesta sexta-feira (17/05). Por conta de um rompimento em uma rede de 60 milímetro. Na Rua Lino Manoel Viana, Quadra 17.

Assim que for concluído o conserto o abastecimento voltará ao normal.

Agradecemos a compreensão de todos.

*Obs: O vazamento se deu por conta que uma pessoa estava cavando um buraco, e atingiu a tubulação.

Fonte: Compesa Petrolândia 

*O aviso chegou a nossa redação, a poucos minutos.


quinta-feira, 16 de maio de 2019

Morre aos 63 anos, Eraldo do PT: O ex-vereador de Petrolândia e Jatobá morreu em um hospital no Recife

Eraldo José de Souza em entrevista a Assis Ramalho. Foto/arquivo: Lúcia Xavier/BlogAR

Faleceu na manhã desta quinta-feira (16/05/2019), no Hospital PROCAPE - Pronto-Socorro Cardiológico Universitário de Pernambuco, Eraldo José de Souza. 

De acordo com informação do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Petrolândia, Eraldo, que já foi vereador por Petrolândia e Jatobá, ambas em Pernambuco, encontrava-se internado naquela unidade hospitalar, fazendo tratamento de uma problema cardíaco. 

Eraldo, que tinha 63 anos, sempre esteve a frente das lutas sociais em prol dos trabalhadores rurais dos municípios de Petrolândia, jatobá, e região. Durante sua longa trajetória de luta, entre outros cargos, Eraldo ocupou por vários anos, a Pasta de Secretário de Política Agrícola da FETAPE. Também foi Coordenador do Polo Sindical do Submédio São Francisco.

Atualmente era Secretário da Prefeitura de Jatobá, e também ocupava o cargo de Tesoureiro do Sindicato dos Trabalhadores Rurais daquela cidade.

O corpo de Eraldo do PT, como também era conhecido, deverá chegar à Jatobá ainda nesta quinta-feira, onde será velado na residência da família, em Itaparica.

*Traremos mais detalhes a qualquer instante!










Por Redação do Blog de Assis Ramalho
Fotos/arquivos: Blog de Assis Ramalho
Via: Blog Petrolândia em Foco

Bolsonaro chama manifestantes de ‘idiotas úteis e massa de manobra’ e recebe críticas

Políticos e associações de professores e estudantes reagiram.

Por Jornal Nacional
Via: G1
Atualizado em 16 de maio de 2016

No Brasil, as reações às declarações do presidente foram imediatas. Em Dallas, nos EUA, onde está para receber uma homenagem, ele chamou os manifestantes que protestaram contra o bloqueio de verbas na educação de "idiotas úteis e massa de manobra". Bolsonaro recebeu muitas críticas de associações de professores e estudantes e também no meio político.

A presidente executiva do Todos pela Educação, Priscila Cruz, cobrou respeito a professores, alunos e a quem mais trabalha pela educação no país:

“Um governo que não trata com respeito quem está ali na ponta, dificilmente vai conseguir avançar nessa agenda. O Brasil já perdeu muito tempo, muitos anos, não priorizando a educação. A gente precisa, de fato, priorizar a educação. Mas de uma forma democrática, aberta, desarmada, sem acusações, de forma construtiva para a gente conseguir avançar. Se não, a gente vai ficar o tempo inteiro numa disputa, numa briga em que ninguém ganha. O país perde, os estudantes perdem, as pessoas, a população brasileira perde”.

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições de Ensino Superior (Andifes) defendeu o diálogo com os estudantes.

“A posição dos estudantes cumpre um papel importante na vida democrática em nosso país. Ouvi-los, saber da sua mobilização sempre foi um sinal importante para que nosso país evitasse retrocesso, evitasse compromissos com a ignorância e não com o conhecimento”, disse o vice-presidente da Andifes, João Carlos Salles.

O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior disse, em nota, que “fica chocado ao ver que o presidente da República não tem a sensibilidade de perceber o quão importante é para a população brasileira uma educação pública de qualidade, também fundamental para o crescimento econômico do país”.

À repórter Andrea Sadi, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que está em Nova York, disse que "educação também é saber ouvir, discutir com respeito e encontrar soluções para os nossos desafios. E isso vale para todos os lados. O Congresso vai fazer o seu papel: ouvir, discutir e apontar caminhos”.

No Congresso, as declarações do presidente causaram muito impacto, bem no dia da audiência com o ministro da Educação, que foi convocado pelos parlamentares insatisfeitos com os cortes na educação.

O deputado Diego Garcia, do Podemos, defendeu as palavras do presidente Jair Bolsonaro:

“O presidente coloca dentro de um contexto que são militantes, que estão ali fazendo toda essa arruaça, esse barulho, levantando essas bandeiras, fazendo protestos, mobilizando outras pessoas, que estão, infelizmente, muito desinformadas sobre a realidade e a verdade do que está acontecendo neste momento no país”.

A líder do governo, Joice Hasselmann, criticou os protestos, que chamou de manifestações ideológicas:

“O presidente nunca compactuou com esse tipo de manifestação ideológica, barulhenta e com muito pouca produtividade. Não tem como fazer diálogo com gente que está na rua gritando, que está na rua esperneando, xingando o governo Isso não é diálogo, isso é baderna. Quem está botando lenha na fogueira é quem está indo para a rua fazer baderna”.

Em nota, o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, disse que a posição do presidente é que “as manifestações são legítimas e democráticas, desde que não se utilizem de violência nem destruam o patrimônio público”.

Mas deputados de vários partidos criticaram a declaração de Bolsonaro. O líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ), disse que é inaceitável:

“É um desrespeito intolerável a estudantes, a professores, a pesquisadores que, de forma democrática, pacífica e legítima, decidem se manifestar a favor da educação brasileira. Isso não é postura de presidente da República”.

O deputado Tiago Mitraud, do Novo, cobrou serenidade e diálogo do governo:

“O que a gente tem que fazer nesses momentos onde a população está mais aflorada, ou algum setor do país, é dialogar. Acho que a gente não pode jogar mais lenha na fogueira, colocar gasolina ali. Nesse momento, a gente tem - quem está no governo - tem que ter uma postura de serenidade e de abertura ao diálogo que, infelizmente, parece que não foi o tom dessa declaração”.

O líder da Rede Sustentabilidade, Randolfe Rodrigues, chamou de desastrosa a declaração:

“É mais uma declaração desastrosa e irresponsável do senhor presidente da República. Ele está a quilômetros de distância daqui. A primeira provocação que levou os estudantes às ruas no dia de hoje partiu do seu governo. O próprio presidente da República, ao contrário de agir com responsabilidade que o cargo exige, bota mais lenha na fogueira”.



DIVÓRCIO IMPOSITIVO: Pernambuco é o primeiro estado a aprovar o divórcio unilateral

A medida, chamada de “divórcio impositivo”, foi aprovada por unanimidade pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE)

Por Folha PE
16 de maio de 2019

    Foto: Rawpixel/Pixabay

A partir de agora, o divórcio de um casal em Pernambuco não precisa mais da concordância de ambas as partes. O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) aprovou o Provimento 06/2019 do chamado “divórcio impositivo”, divulgado nessa terça-feira (14) pelo Diário Oficial. Pernambuco é o primeiro estado do país a aprovar a medida, em decisão unânime, assinada pelo corregedor-geral do Tribunal de Justiça de Pernambuco, o desembargador Jonas Figueirêdo. 

COMO FUNCIONA

O documento evita o processo de judicialização, já que, até então, era necessário o consentimento entre as duas partes do casal. Para dar início ao processo, basta o cônjuge comparecer ao cartório que registrou o casamento, acompanhado de um advogado ou defensor público, e requerer a averbação do divórcio. 

Após isso, o outro membro do casal recebe a notificação em até cinco dias. Por ser um ato unilateral, entende-se a partilha de bens caso existam. Depois da notificação, a averbação acontece no prazo de cinco dias. No entanto, apenas cônjuges sem filhos  menores de idade, nascituros ou incapazes podem dar entrada no processo